Pesquisar este blog

terça-feira, 23 de maio de 2017

A Reforma da Previdência e os princípios cristãos

23.05.2017
Do portal ULTIMATO ON LINE, 04.05.17
Por Cayo César Santos


No processo histórico, a espécie humana se organizou em comunidades para, a partir da soma de esforços, resolver questões básicas de sobrevivência: a segurança, o abrigo e o alimento. O sucesso nessa empreitada fez surgir, por sua vez, uma nova questão: o fenômeno do envelhecimento populacional. A Previdência Social é um mecanismo voltado a assegurar ao idoso, após contribuir com a força de sua juventude para a proteção e o sustento comunitário, o reconhecimento de seu valor para o conjunto social, mediante a viabilização de sua justa e digna sobrevivência na velhice. Este, em curtíssimas palavras, é o cerne da temática que ora agita a sociedade brasileira, a saber, a reforma da Previdência. 

3 princípios da Previdência

A Constituição Federal estabelece como sustentáculos de regência da Previdência Social três princípios: o da solidariedade, o da igualdade e o da dignidade da pessoa humana. O primeiro indica que o todo é responsável por cada uma de suas partes. Assim, cabe ao conjunto da sociedade contribuir para a manutenção da dignidade daqueles que já participaram do processo de produção de riquezas para o grupo. O segundo implica, vale frisar enfaticamente, em não considerar que todos são substancialmente iguais no contexto social, mas, ao contrário, reconhecer as diferenças e fragilidades de alguns para, a partir de normatização adequada, trazê-los ao mesmo patamar de dignidade dos que não sofrem semelhantes carências. O terceiro, por fim, sintetiza direitos outorgados à pessoa pelo mero fato de ser da espécie humana. Direitos inegáveis e essenciais que objetivam garantir uma existência livre e, tanto quanto possível, plena. Toda vez, então, que for necessário examinar uma situação concreta relativa à Previdência Social, será necessário considerar a relação destes princípios norteadores.

A influência do Cristianismo na Constituição

Ora, estes três princípios constitucionais, como de resto grande parte da principiologia que sustenta a legislação humanitária do mundo ocidental, sofrem grande influência e inspiração das tradições e dos fundamentos do Cristianismo. Ecoam estatutos sagrados presentes em textos bíblicos que, desde a antiguidade, são concernentes à justiça social – valor idealizado e profundamente desejado pelo próprio Deus. 

Dignidade humana é percepção universal que nasce, conforme a narrativa do Gênesis, da própria concepção e criação do homem e da mulher, eis que feitos à própria imagem e semelhança do Criador. Por sua vez, no contexto social, a solidariedade e a igualdade implicam, necessariamente, renúncia e sacrifício, realidades que espelham o exemplo de Cristo que, ao esvaziar-se, abrindo mão de seus direitos e de sua glória, se fez um com os homens, sofrendo suas dores e pagando o preço de sua outrora inevitável condenação. 

A realidade desigual e as motivações do nosso coração

A pergunta que surge, então, se refere a como levar a cabo a aplicação de tais princípios, mormente num cenário em que distorções e desvirtuamentos parecem torná-los letra morta, dada a atuação caída de gente que tudo pode em seus discursos, mas que nada faz em prol da justiça social. Como falar de solidariedade em uma sociedade que tem péssimos índices de distribuição de renda? Como igualar os desiguais se, na prática, muitas das ações políticas revelam igualar tão somente grupos de privilegiados à custa de grupos desassistidos? Como apregoar dignidade humana em meio a balas perdidas, falta de educação adequada, hospitais inundados de sangue e carentes de recursos, ausência de perspectiva, sequer, de emprego e ocupação? 

O exame destas questões não pode prescindir de uma corajosa e franca sondagem das próprias motivações. Como cristão e cidadão, cabe indagar, no ambiente de nossos corações, se a preocupação com o tema está relacionada a interesses pessoais, como a preservação de privilégios, ou se há um genuíno cuidado para com a parcela mais carente e vulnerável da sociedade. Cabe trazer para o espelho a nossa própria consciência, investigando como estes princípios bíblicos, que a história findou por reproduzir em legislação humana, estão contemplados em nossos argumentos e razões. Cabe inquirir, ainda, sobre o quanto anseia, a nossa alma cristã pela justiça social concebida por Deus. Tudo isto sem esquecer o modelo de Cristo, que recomenda simplicidade e prudência e, sobretudo, o amor, onde não há lugar para a enorme violência verbal que vez por outra toma conta de nossos debates. 

O que se espera dos cristãos?

Olhando para a história do cristianismo ao longo dos séculos, penso que somos chamados, como igreja, a conhecer, estudar e buscar respostas para este e para outros graves problemas enfrentados por nossa nação. Lutero, Wilbefort, Luther King e tantos outros nos legam a lembrança do elevado preço, hoje amenizado pela poesia do tempo, pago por cristãos que se envolveram com dilemas de seu próprio contexto social, engajando-se nas reformas necessárias para suas comunidades. 

Que disposição há em nossos corações ao sacrifício? Que disposição em seguir o exemplo de nosso Mestre, tendo o mesmo sentimento que nele habitou, conforme nos exorta o apóstolo Paulo na carta aos filipenses? Empatia e compaixão pelos desafortunados é o que se espera do cristão. Pois, ao cabo, o serviço sacrificial ao próximo é o único caminho para honrar, efetivamente, a dignidade intrínseca de cada ser humano e a igualdade outorgada pelo Criador. 

• Cayo César Santos é presbítero da Igreja Presbiteriana do Planalto, membro da diretoria do Centro Cristão de Estudos, em Brasília, DF, e analista e assessor jurídico no Ministério Público Federal. É autor de Século I - O Resgate.

Leia mais




*****
Fonte:http://www.ultimato.com.br/conteudo/a-reforma-da-previdencia-e-os-principios-cristaos

domingo, 7 de maio de 2017

Traficante ateu é curado após oração e se converte

07.05.2017
Do portal GOSPEL PRIME, 05.05.17
Por Jarbas Aragão

MC Tempo hoje é rapper cristão e pastor de jovens  






Mark Edwards, mais conhecido como MC Tempo é um rapper cristão inglês que vem tendo um bom alcance com eventos evangelísticos que misturam música e pregação. Hoje pastor de jovens na Centro Cristão de Sutton, igreja localizada no sul de Londres, ele teve uma adolescência muito atribulada e aos 19 anos já era um traficante internacional de drogas.
Ateu, ele disse que não tinha interesse nenhum em questões espirituais. Parte de seu tempo era dedicado a promoção de festas rave ilegais, onde se vendia muita droga. Contudo, a exposição constante aos autofalantes lhe rendeu um problema de saúde que resultou na surdez do ouvido esquerdo.
Sem muita perspectiva de futuro, ele envolveu-se com o crime até que um dia tudo mudou. Após muita insistência de um amigo de infância, ele aceitou participar de um evento numa igreja evangélica em Brighton.
Um evangelista fazia uma cruzada no local, que atraiu cerca de mil pessoas. “Este cara chamado Ram Babu era o convidado da noite. Subiu no púlpito e começou a orar e profetizar”, lembra Edwards.
“Eu pensei que ele era louco, mas então ele apontou seu dedo para mim. Disse que sabia que eu era surdo na orelha esquerda e que Deus queria me curar”, lembra. “Não havia como ele saber que eu era surdo. Era meu segredo e as pessoas que estavam comigo naquela noite não sabiam”.
Babu chegou perto dele, declarou ‘Deus te ama’ e começou a orar. “Tudo o que me lembro é que eu apaguei, e quando voltei a mim, podia ouvir claramente com os dois ouvidos, algo que não acontecia há anos”, sublinha.
Edwards aceitou a Jesus naquela noite e compara sua experiência com a de Paulo no caminho para Damasco. Depois de um tempo, começou a compor raps com temática cristã. Ele explica: “Eu já era um rapper, a temática religiosa veio mais tarde. Quando descobri a fé, as mensagens cristãs começaram a aparecer naturalmente na minha música”.
Para o MC Tempo, o que sua música faz não é tentar ditar regras de comportamento, mas despertar as pessoas. “Muita gente acha que a religião cristã é só um bando de leis morais, mas não, é um relacionamento saudável com Jesus”.
Há dois anos ele passou a integrar o corpo pastoral de sua igreja e criou um evento semanal no clube noturno Legacy. Focado no público jovem, no local não há venda de bebidas alcoólicas. Trata-se de uma oportunidade para as pessoas ouvirem música e sempre tem alguém com uma mensagem ou testemunho, assegura.
O novo single, e clip, do MC Tempo, chama-se “Ovelha Negra”. Lançado este mês, ele conta como a fé em Deus lhe deu nova visão da vida. Com informações de Charisma News

*****

Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/traficante-ateu-e-curado-apos-oracao-e-se-converte/

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Ronaldo Ésper: “ser homossexual foi uma maldição” Estilista foi batizado no Templo de Salomão

03.05.2017
Do portal GOSPEL PRIME
Por Jarbas Aragão

Ronaldo Ésper: "ser homossexual foi uma maldição"

O estilista Ronaldo Ésper deu uma entrevista exclusiva durante o programa “Fala Que eu Te Escuto”, transmitido pela Rede Record esta semana. Em conversa com o bispo Clodomir Santos, ele deu seu testemunho.

Assumidamente ex-homossexual, ele sentiu-se à vontade para contar o que mudou em sua vida desde que conheceu a Jesus. Recentemente batizado, Ronaldo hoje olha para o passado com tristeza. Contou que, para ele, ser homossexual “foi uma maldição” que teria entrado em sua vida pela obra de uma mulher que faz parte de sua família. Acredita que se trata de uma “maldição familiar”.

Revelou ainda que, quando era criança foi vítima de assédio de um padre que, ao ser rejeitado, por ele, o obrigou a confessar que teria tentado “seduzir” o sacerdote.

Ésper, 73 anos, contou que, por vergonha, nunca assumiu a homossexualidade diante da família. Mas viveu durante muitos anos uma vida sexualmente promíscua. Garantiu ao bispo que, “de uma forma geral, um homossexual é um predador, ele vive caçando”.

Riqueza e fama não foram suficientes para dar paz ao estilista e apresentador de TV. Ele desabafou, dizendo que pensou em suicídio várias vezes. Vindo de uma família muito católica, ele disse saber que a prática era pecaminosa.

“Para mim sempre foi um pecado, mas eu era de uma religião que a gente confessa toda semana e te perdoa”, lembra.

Há cerca de dois anos ele começou a frequentar a Universal, por insistência de sua mãe. Hoje afirma ter sido liberto do desejo homoafetivo e vive uma nova vida. Assegura que não “trocou de religião”, pois o que achou na igreja “é uma fé. É o que está escrito na Bíblia e nós temos que seguir”.

Classificou a experiência na Universal como “fé racional”.

“Se você não está bem dentro de sua casca, venha até aqui”, convidou, dizendo que “aconselharia todo mundo a experimentar”, como ele fez.

Abordando a questão do dízimo, a crítica mais comum às igrejas evangélicas, disse que ninguém lhe pede nada, o que ele dá é por obediência. “É como uma criança que faz um desenho bonito e leva para os pais. O primeiro fruto que cai na sua mão não é nosso é de Deus”.

Assista a entrevista:

******
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/ronaldo-esper-ser-homossexual-foi-uma-maldicao/

Mudança de sexo só mascara problemas psicológicos, afirma ex-transexual

03.05.2017
Do portal GOSPEL PRIME, 02.05.17
Por  Jarbas Aragão

 Walt Heyer hoje lidera ministério cristão dedicado a ajudar trans arrependidos

Mudança de sexo só mascara problemas psicológicos
Walt Heyer já mudou de sexo duas vezes. Nascido homem, ele conta que aos quatro anos sua avó o obrigava a colocar vestidos. Isso gerou nele uma confusão que prejudicaria toda a sua vida.
“A partir deste vestido, começou uma vida cheia de disforia de gênero, abuso sexual, alcoolismo, drogas e, finalmente, uma cirurgia de mudança de sexo desnecessária. A minha vida foi destruída por um adulto de confiança que gostava de me vestir como uma menina”, relata ele em seu testemunho.
Aos 7 anos seu tio abusou dele sexualmente, o que agravou a sua confusão sobre sexualidade. O menino, maltratado e ferido, chegou a idade adulta com uma série de problemas psicológicos. Casou-se com uma mulher e teve dois filhos, mas em 1977, aos 42 anos, decidiu fazer uma operação de mudança de sexo e adotou o nome de Laura Jensen.
“Tudo começou como uma fantasia e continuou do mesmo modo, porque a cirurgia não te converte em uma mulher. Não se pode mudar biologicamente um homem para uma mulher”, desabafa.
Oito anos depois, Heyer teve um encontro com Jesus em uma igreja evangélica. Com o apoio do pastor e uma equipe de conselheiros, ele passou por uma fase de muitas lutas. Certa vez, quando um amigo orava em voz alta por ele, Heyer disse ter uma visão onde Jesus o tomava nos braços e dizia: “Agora você está agora, para sempre”.
Decidido a voltar a viver como homem, fez uma nova cirurgia, basicamente para desfazer a primeira. Apesar de ter um corpo “maculado”, ele reassumiu o nome de Walt Heyer e até casou de novo.
Seu ministério consiste em pregar nas igrejas e despertá-las sobre como tratar os transexuais. Também escreveu diversos livros e artigos sobre o assunto.
Aos 76 anos de idade, ele mantém o site sexchangeregret.com, onde comunica-se com centenas de pessoas a cada ano, compartilhando suas experiências e aconselhando pessoas que se arrependeram da mudança de sexo.
Em um artigo publicado recentemente, afirmou: “A cirurgia não corrige nada, apenas mascara problemas psicológicos”. “Se mais pessoas estivessem cientes da história escura e conturbada da cirurgia de mudança de sexo, talvez não seríamos tão rápidos a empurrar as pessoas para isso”, assegura.
Ele lembra que a igreja deveria estar pronta para ajudar os transgêneros que a procuram.
“Precisamos estar conscientes de que a igreja é um hospital para pessoas quebradas.”, sublinha. “Nós não queremos deixá-los onde estão. Queremos que sejam curados e encontrem a Cristo em sua vida, para que possam ser restaurados como eu fui”, acrescentou.
Heyer afirma que “uma cirurgia não te converte em uma mulher”. Para o pregador, a Igreja não poderia apoiar os casos de “disforia de gênero”, mas desafiar essas pessoas com delicadeza e ao mesmo tempo firmeza.
Acredita que os líderes cristãos precisam se informar melhor sobre as consequências físicas e emocionais a longo prazo da cirurgia de mudança de sexo. “Se os apoiamos na mudança de gênero, na verdade, estamos sendo desobedientes a Cristo, porque não estão vivendo de acordo com o que eles são. Deus criou o homem e a mulher”, insiste. Com informações CBN
****
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/mudanca-sexo-mascara-problemas-psicologicos-ex-transexual/

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Para pastores batistas, reforma da Previdência é ‘crueldade genocida’

26.04.2017
Do portal do REDE BRASIL ATUAL
Por Redação RBA
Para a Aliança de Batistas do Brasil, PEC 287 é mais um projeto injusto contra trabalhadores, idosos, negros e camponeses. Além dos batistas, outras denominações evangélicas se unem aos católicos 
evangélicos.jpg
Para setores da igreja evangélica, reforma da Previdência terá maior impacto sobre a vida das populações mais pobres
São Paulo –  Em nota assinada pelos pastores batistas Joel Zeferino, Marcos Adoniram Lemos Monteiro e Nívia Souza Dias, a Aliança de Batistas do Brasil repudia o teor do projeto de reforma da Previdência. Para os religiosos, a proposta do governo Temer se soma a uma série de outros projetos que consideram injustos por “desequilibrar ainda mais a relação capital-trabalho”, estruturalmente danosos para o trabalhador e para a classe mais pobre e ainda embute uma “crueldade genocida”.
No documento, os pastores afirmam que a reforma ameaça ainda a população mais pobre e os idosos, que historicamente sofrem com o achatamento das aposentadorias e pensões e com a progressiva dificuldade de inserção no mercado de trabalho por faixa etária.
Eles criticam o que chamam de cumplicidade da mídia conservadora, que mesmo diante de resistências e protestos de grande parcela da sociedade civil, apresenta a reforma de “modo adocicado”, demonstrando mais uma vez a leniência e parcialidade dos meios de comunicação“O projeto tem sido apresentado como um evangelho, anúncio de salvação da pátria e do povo brasileiro”, afirmam os pastores. “A palavra evangelho é muito cara para nós, batistas. Denunciamos, então, esse projeto como um falso evangelho ou como um dysangelho, divulgação de um tipo de mundo contrário ao desejado por Deus.”
E destacam que a inconsistência de argumentos que respaldem a tese do déficit previdenciário e a inexistência de auditoria nas contas, prevista constitucionalmente, demonstram a iniquidade dos interesses que direcionam tais medidas. “A confluência de um presidente não eleito, um Legislativo venal e um Judiciário inconsistente ameaça garantias e direitos duramente conquistados pelos mais necessitados.”

Igrejas históricas

A Aliança de Batistas no Brasil é uma das entidades que congregam as várias igrejas de identidade batista no país. Outras, como a Convenção Batista Brasileira e a Convenção Batista Nacional, se juntaram a setores luteranos, metodistas e presbiterianos – que compõem as chamadas igrejas evangélicas históricas – em manifestação contrária à reforma da Previdência.
Esses evangélicos consideram que o atual sistema previdenciário cumpre fundamental papel redistributivo e realocativo de renda, atuando no combate à desigualdade social e na segurança alimentar a uma parcela significativa da população.
Para eles, é injusta e incoerente com a realidade a exigência de idade mínima de 65 anos para aposentadoria tanto de homens quanto de mulheres e de um tempo mínimo de contribuição de 25 anos que, na prática, requer 49 anos para aposentar-se com 100% dos proventos.
E que as mulheres, com dupla jornada, e os trabalhadores mais pobres, sem qualificação e registro em carteira, jamais poderão contribuir por 49 anos, como exige a proposta de Temer.
Além disso, apontam os graves desequilíbrios regionais e as diferenças de expectativa de vida entre as populações das regiões mais pobres em contraponto com as mais ricas, a injustiça na sistemática de cálculos proposta e a necessidade de investigação criteriosa e divulgação de dados quanto aos recursos arrecadados para sustentar a previdência e a seguridade social. Por fim, defendem a redução das desonerações fiscais concedidas aos segmentos privados, em detrimento da saúde financeira do Estado.
A cruzada contra a reforma da Previdência conta ainda a participação dos católicos. 
No último dia 19, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) voltou a se manifestar contra a reforma da Previdência, juntamente com o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Conselho Federal de Economia (Cofecon).
No dia 23 de março, a CNBB, por meio do seu Conselho Permanente, divulgou nota convocando “os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da atual reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o nosso povo, principalmente os mais fragilizados”.

terça-feira, 25 de abril de 2017

IGREJAS EVANGÉLICAS HISTÓRICAS E ALIANÇA EVANGÉLICA ASSINAM MANIFESTO CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

25.04.2017
Do portal EXPOSITOR CRISTÃO

Antonio Cruz | Agência Brasil
Temer discute reforma da Previdência com senadores | Antonio Cruz | Agência Brasil

As Igrejas Evangélicas Históricas  brasileiras emitiram um pronunciamento oficial sobre as decisões tomadas com relação a Reforma da Previdência, em tramitação da Câmara do Deputados. A proposta do governo Michel Temer, é entre outras ações, criar novas regras na Previdência. Entre elas, estabelecer idade mínima de 65 anos para se aposentar.
O texto aguarda o Relator na Comissão Especial, emitir um parecer sobre a proposta de emenda constitucional 287 de 2016 (PEC 287/16).
Entre as organizações que assinam o documento de posicionando contra a Reforma, está presente a Igreja Metodista no Brasil. Por meio do seu veículo oficial, a organização já abordou o tema, tanto no Jornal Expositor Cristão no mês de abril, como no podcast Giro de Notícias, que traz as principais notícias metodistas da semana. Ouça agora.
Leia abaixo o pronunciamento, ou acesso o documento original do site da Igreja Metodista brasileira. Clique aqui.

PRONUNCIAMENTO DOS PRESIDENTES E REPRESENTANTES DAS IGREJAS EVANGÉLICAS HISTÓRICAS DO BRASIL E ALIANÇA EVANGÉLICA BRASILEIRA SOBRE A REFORMA PREVIDENCIÁRIA – PEC 287/2016
Os Presidentes e representantes das Igrejas evangélicas históricas do Brasil, em virtude das propostas de mudanças no regime previdenciário brasileiro contidas na Proposta de Emenda à Constituição – PEC 287/2016, no cumprimento de seu dever profético e no exercício da fé cristã, fazem o seguinte
PRONUNCIAMENTO:
1 -O atual sistema previdenciário brasileiro cumpre fundamental papel redistributivo e realocativo de renda, sendo instrumento eficaz de combate à desigualdade social e de segurança alimentar a uma parcela significativa de brasileiros;
2 – Não obstante sua importância no combate às desigualdades sociais, o atual sistema previdenciário apresenta assimetrias e desigualdades entre diversas categorias laborais, o que requer revisão e ajustes para seu aperfeiçoamento;
3 -A exigência de idade mínima de 65 anos para aposentadoria tanto de homens quanto de mulheres e de um tempo mínimo de contribuição de 25 anos que, na prática, requer 49 anos para aposentar-se com 100% dos proventos, é injusta e não condiz com a realidade brasileira, porque:

3.1. As mulheres, sabidamente, em nossa sociedade, exercem dupla jornada laboral, trabalham cerca de 7,5 horas a mais que os homens, de acordo com levantamento do IPEA, e não se podem ignorar as diferenças de gênero;
3.2. Os trabalhadores mais pobres e sem qualificação, em vista da economia informal (falta de registro em carteira), do subemprego e do desemprego, jamais alcançarão 49 anos de contribuição para fazer jus aos proventos de aposentadoria integrais;
3.3. Não leva em consideração nossos graves desequilíbrios regionais e as diferenças de expectativa de vida entre as populações das regiões mais pobres em contraponto com as mais ricas.

4-É injusta a sistemática proposta de cálculos dos proventos e dos cálculos de pensão, havendo a possibilidade de esses valores serem inferiores ao salário mínimo;
5 -A elevação de idade para 70 anos para o Benefício de Prestação Continuada afetará as camadas mais pobres da sociedade, impedindo que os que mais precisam tenham acesso ao benefício;
6 – É preciso que haja uma investigação profunda da aplicação dos recursos arrecadados para sustentar a previdência e a seguridade social, que os números reais da previdência sejam tornados públicos e que o Governo construa mecanismos eficazes de cobrança dos altos valores devidos à Previdência Social e reduza as desonerações fiscais concedidas aos segmentos privados, em detrimento da saúde financeira do Estado.
Conclamamos os membros que se reúnem em nossas Igrejas a orar pelo bem de nossa nação e que Deus nos permita construir um país em que justiça social e cuidado com os mais necessitados sejam pauta permanente de nossas políticas públicas.

AL – Aliança Evangélica 
CBB – Convenção Batista Brasileira
CBN – Convenção Batista Nacional
IECLB – Igreja Evangélica de Confissão Luterana Brasileira
IELB – Igreja Evangélica Luterana do Brasil
IMB – Igreja Metodista no Brasil
IML – Igreja Metodista Livre
IPIB – Igreja Presbiteriana Independente do Brasil
IPB – Igreja Presbiteriana Brasileira
IPU – Igreja Presbiteriana Unida
UIEBC – União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil
****
Fonte:http://www.expositorcristao.com.br/2017/03/pronunciamento-de-igrejas-historicas-brasileiras-contra-reforma-da-previdencia/

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Teologia da prosperidade mata mais que islã radical, diz pastor perseguido

24.04.2017
Do portal GOSPEL PRIME, 21.04.17
Por Jarbas Aragão

Saeed Abedini denuncia que esse tipo de cristianismo causa muito mais danos à fé que a perseguição islâmica
Teologia da prosperidade mata mais que islã radical

O pastor Saeed Abedini, que passou mais de três anos presos no Irã por causa da sua fé, sendo torturado constantemente, de muitas maneiras se tornou um símbolo da igreja perseguida no Ocidente.
Após ser liberto, ele voltou a morar nos Estados Unidos, onde conduz um ministério voltado para denunciar a perseguição religiosa. Esta semana ele voltou a criticar os pregadores da prosperidade.
Usando as redes sociais, ele denunciou as igrejas que, segundo ele, são voltadas apenas para a performance de seus líderes. Argumentou ainda que esse tipo de cristianismo está causando muito mais danos à fé que o islamismo radical.

“A estrutura de muitos ministérios e igrejas é montada em torno de um palco para que os líderes se apresentem e nós temos que pagar o custo disso. Parece que os cristãos estão matando mais seus irmãos que o Islã”, disparou.
“Os muçulmanos radicais podem matar centenas de nós em atentados terroristas, mas esse tipo de cristianismo mata [espiritualmente] centenas de milhões de cristãos ao redor do mundo”, acrescentou.
Abedini escreveu ainda que o “Corpo de Cristo” tem dado ouvidos a muitos pregadores que estão envolvidos em “roubo, hipocrisia, adultério e anunciam o falso evangelho da prosperidade”.
Sem dar nomes, reiterou que esses “pregadores da prosperidade roubam o dinheiro da casa do Senhor”, e ainda chamam isso de “sucesso”. “Eles ficam com parte das doações para si, algo que ironicamente nem os fariseus dos tempos de Jesus faziam”.
O pastor iraniano acredita que “os cristãos de hoje não adoram a Deus como deveriam, porque são enganados por esse tipo de ensino moderno”.
Desde o início de abril, Abedini vem fazendo acusações contra diferentes pastores. Disse, inclusive, que algumas figuras conhecidas usaram sua história de perseguição para arrecadar fundos, mas não fizeram muito para ajudá-lo após sua libertação. Com informações Christian Post
******
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/teologia-da-prosperidade-mata-mais-que-isla-radical-diz-pastor-perseguido/

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Pastor Severino do Ramo é convidado para culto de ceia da Ebenézer

07.04.2017
Por Tânia Passos Araujo*

Uma noite de pentecostes no culto de Ceia da Ebenézer. O pastor convidado Severino do Ramo foi o grande pregador da celebração 

O pastor-presidente da Assembleia de Deus Ebenézer, José Lins, com sua esposa Edileuza Lins, recebeu o pastor-presidente da Assembleia de Deus Adoração, Severino do Ramo, com sua esposa Eliene Silva, para o culto de ceia


O culto de ceia da Assembleia de Deus Ebenézer, na segunda terça-feira do mês de abril, contou com a presença do pastor-presidente da Assembleia de Deus Adoração, Severino do Ramo, o pregador da noite, que falou sobre os talentos que Deus concede a cada um de nós e a disposição de trabalharmos ou não os dons recebidos. O pastor e a esposa, a missionária Eliene Silva, foram recebidos pelo pastor-presidente da Assembleia de Deus Ebenézer, José Lins e a esposa Edileuza Lins, e o vice-presidente da Ebenézer, o pastor Robenildo Lins e a esposa Ana Lins. Numa noite de festa para a celebração da Ceia do Senhor, o culto contou ainda com uma peça de teatro do grupo infantil da igreja e muito louvores, entre eles o da cantora Marta Silva. Após o culto, o pastor Severino do Ramo concedeu uma entrevista à jornalista Tânia Passos Araujo para o Blog da Igreja Evangélica da Assembleia de Deus Ebenézer de Pernambuco (IEADEPE).


O pastor Severino do Ramo  pregou sobre os talentos que Deus  nos concede e depende de cada um desenvolver esses dons. No púlpito, ele foi ladeado pelo pastor-presidente da  Ebnézer,  José Lins e pelo vice-presidente, o pastor 

 Robenildo Lins.


1 - Pastor Severino como o senhor se sente por ter ajudado a Assembleia de Deus Ebenézer a fazer parte da COMADEPLAN, uma das mais importantes convenções de ministros evangélicos do país

R- Sinto-me agradecido a Deus pela oportunidade de ajudar a expandir o Reino de Deus debaixo de uma bandeira como a COMADEPLAN, que é uma das maiores convenções do Distrito Federal, em Brasília. Como também, meu ministério (Adoração) faz parte dela, que é uma convenção aberto a ajudar as igrejas que têm um princípio bíblico assembleiano centenário, que nos foi ensinado, desde o início, pelos missionários (Gunnar Vingreen e Daniel Berg).  Então, a COMADEPLAN, sob a presidência do pastor Rinaldo Alves, é uma da convenção que oferece toda segurança e, da mesma forma, a COMADEPLAN é ligada à CGAD (Convenção Geral das Assembleias de Deus). E quando surgiu a oportunidade de nos filiarmos à COMADEPLAN, eu pensei logo no pastor José Lins e o pastor Robenildo Lins, pois eu sei das dificuldades para criar uma igreja estruturada. Para mim é uma honra fazer daCOMADEPLAN e ter o nosso pastor José Lins e o pastor Robenildo também junto à COMADEPLAN e também o pastor Rinaldo ficou muito feliz de saber do histórico que tem os dois pastores da Ebenézer em Pernambuco. E a nossa COMADEPLAN está se expandindo para vários estados da federação e aqui em Pernambuco temos igrejas filiadas à convenção não só da capital, mas também de várias cidades do Agreste. É um crescimento saudável agregando igrejas que têm o perfil doutrinário assembleiano.

2 - Há ainda muitas igrejas evangélicas independentes que não integram uma convenção. Qual a sua percepção em relação a essa questão?

R- Partindo do princípio que precisamos parte de institucional com uma boa estrutura e é necessário também que as igrejas pequenas procurem se adequar às leis do país, do contrário ela ficará completamente solitária e no anonimato. E esse isolamento, por vezes, faz com que ela se desvie por vários caminhos por falta de um norte e acaba abrindo muitas brechas doutrinárias. Quando a gente detecta que tem um grupo de irmãos que têm princípios bíblicos e querem um apoio, então nós procuramos ajudar para que eles se regularizem como instituição religiosa. A partir desse princípio ela então é avaliada se tem as devidas condições. A comissão de ingresso da COMADEPLAN, que é ligada à CGAD, tem muitos critérios. Na realidade não é qualquer igreja que pode se filiar. Aqui em Pernambuco há muitas solicitações, mas eles não aprovam o ingresso delas à convenção, porque são igrejas que não adotam o princípio doutrinário que foi ensinado.  Então, a gente está trabalhando muito com essas igrejas menores, que nasceram, muitas vezes, de um ponto de pregação. Eu conheço um caso de uma igreja que hoje tem quase cem membros que nasceu no quintal de uma casa, que foi crescendo e até hoje ninguém procurou se organizar. Nós estamos ajudando, orientando na documentação para que ela possa se filiar a uma convenção. Isso é importante para não ocorrer a proliferação de igrejas independentes sem nenhum princípio doutrinário. Quase toda esquina há uma igreja, mas o problema é que quando não se pertence a uma Convenção, ela corre o risco de se desfacelar e unida à uma convenção ela tem como crescer de forma organizada. Esse é o papel da COMADEPLANque Deus tem usado para unificar e edificar igrejas e não discriminar. Há outras instituições religiosas com grandes convenções que não abrem espaço e isso muitas vezes prejudica o trabalho de expansão da Palavra de Deus.

3-     Pastor, o senhor inclusive já colocou a importância do papel dessas igrejas menores, que, de certa forma, as grandes estão deixando de fazer. Explique melhor como isso ocorre na prática.

R- Eu falo sempre que, uma igreja centenária, ela começa a ter um papel fundamental na sociedade, mas acaba criando uma estrutura pessoal, às vezes até empresarial, às vezes até institucional muito forte, com muitas normas, muitas regras e cria-se praticamente o meu céu, o meu pedaço, a minha denominação. E vai discriminando todos que chegam, que precisam se adequar ao padrão e modelo institucionalizado. E, às vezes eles se esquecem do seu histórico, do princípio, que era simples, que era amoroso, que era acolhedor, que procurava fazer as pessoas se sentirem bem. Mas hoje, por exemplo, quando há muito recurso se faz um social independente. Não se faz um social para tirar a fome, para ajudar o enfermo. Faz-se, na verdade, pela obrigação imposta pela sociedade. Não é mais um trabalho voluntário. E há, ainda, outros que fazem para ter dedução no Imposto de Renda. Então, eu vejo hoje as grandes igrejas, que Deus fez crescer, na realidade, mas que o sistema administrativo é tão pesado e tão forte, que o lado espiritual do cristianismo de ajudar o irmão, de fortalecer o teu irmão, acaba sendo abandonado. E a gente espera que as novas igrejas tenham essa visão cristocêntrica, mas também social. Não que as igrejas irão solucionar todos os problemas, que é impossível, nem o governo federal tem essa condição, mas o amor faz a diferença. É dividir o que eu tenho com as pessoas. Então eu dou muita ênfase, que a igreja não saia só para a evangelização, ela saia também para o cuidado de detectar a dor e o sofrimento e o amor que está no coração para levar até eles. Então eu creio em igreja que é flexível, que abre as portas para as pessoas, que querem viver de acordo com a Palavra de Deus e assim tem espaço para todo mundo. Agora quando não se quer viver este evangelho, então a culpa não é da igreja, nem da instituição e sim das pessoas que não conseguem ouvir e entender a Palavra de Deus.

4 – Pastor, pelas normas da COMADEPLAN, as mulheres dos ministros recebem o cargo de missionárias, o que não ocorre nas igrejas tradicionais. Como o senhor encara o papel das mulheres missionárias?

R – A COMADEPLAN, assim como a CGADB, tem esse reconhecimento das missionárias, que são as esposas dos pastores, que estão 100% envolvidas no ministério. Como também algumas irmãs que são dedicadas ao evangelho 100%. Elas recebem uma credencial, isso não as faz pastora convencional. A COMADEPLAN não adota que a mulher seja consagrada a pastora. Ela não ministra casamento, não faz cerimônia fúnebre, não ministra a Santa Ceia, mas elas ministram a Palavra de Deus, ministra o aconselhamento, dirige reuniões. Então aquelas que têm talento, que tem vocação no chamado. Nós vemos que há irmãs missionárias que têm muito mais talento do que muitos obreiros. Seja pela maneira dedicada, pela fidelidade com a obra de Deus. Então, a COMADEPLAN pelo seu estatuto interno, de acordo com a CGADB, a reconhece como missionária. É tanto que elas recebem uma credencial de missionária reconhecida nacionalmente pela CGADB. Já as grandes instituições, as grandes igrejas, que existem poucas no Brasil, elas só aceitam o trabalho do ministro. Tá certo que a Bíblia mostra o ministro, o homem. Mas e o papel da mulher, o trabalho delas como missionárias? Elas estão servindo a igreja e muitas vezes, nós a chamamos de “a nossa diaconisa”, porque ela está prestando o serviço de diácono mesmo. Nós da COMADEPLAN, do Ministério Adoração e o da Ebenézer, reconhecemos o trabalho missionário das mulheres. Eu agradeço muito a Deus por esse espaço das mulheres que desenvolvem seu trabalho no ministério. São as verdadeiras missionárias que foram buscar o alimento no Corpo de Cristo para levar às pessoas.
Os pastores Robenildo Lins, Jefferson e Severino do Ramo, durante o partir do pão na Santa Ceia do Senhor da Ebenézer
*Tânia Passos Araujo, é jornalista e membro da Assembleia de Deus Ebenézer em Pernambuco.
****
Fonte:http://ieadepe.blogspot.com.br/2017/04/pastor-severino-do-ramo-e-convidado.html

domingo, 2 de abril de 2017

Ebenézer agora é COMADEPLAN

01.04.2017
Do blog  da IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS EBENÉZER EM PERNAMBUCO
Por Tânia Passos Araujo*

O Ministério passou a integrar a Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Planalto Central vinculada à CGADB




A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ebenézer de Pernambuco (IEADEPE),e todo o seu corpo de Ministros passaram a integrar, oficialmente,  a partir deste sábado, 01.04.17,  a Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Planalto Central (COMADEPLAN) no Distrito Federal (DF). A Ebenézer seguiu o caminho, aberto por Deus, através da COMADEPLAN que tem alcance nacional e é ligada à Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil – CGADB, o que permite que os seus ministros tenham reconhecimento nacional e internacional dentro da convenção mãe, que é a CGADB.

O ingresso da Ebenézer é também o reconhecimento da seriedade dos ensinamentos da Palavra de Deus, de acordo com o credo das Assembleias de Deus no Brasil, que tem como uma de suas premissas a crença na atualidade nos dons espirituais, sendo a maior igreja pentecostal do país.

Presidente da COMADEPLAN, Pr. Rinaldo Alves
e sua esposa,a  missionária  Izabel

COMADEPLAN é presidida pelo pastor Rinaldo Alves dos Santos, que junto com o 1° secretário, pastor Djalma Gonçalves, desde os primeiros contatos com a Ebenézer, mostraram-se receptivos à filiação. “Importante destacar o papel do pastor Severino Ramos, pastor-presidente da Assembleia de Deus Adoração em Pernambuco, que nos ajudou na aproximação com a COMADEPLAN, comentou o Pr. Robenildo Lins, vice-presidente da Ebenézer.

Pastor Rinaldo Alves dos Santos, presidente da COMADEPLAN/CGADB, em frente à sede nacional da Convenção, em Brasília, Distrito Federal.

A entrada da Ebenézer na COMADEPLAN, já estava nos planos celestiais. “Foi uma intervenção de Deus. A igreja precisava ter essa filiação para sua expansão ser cada vez mais articulada com as demais Assembleias de Deus em Pernambuco e no Brasil”, afirmou o pastor-presidente da Assembleia de Deus Ebenézer de Pernambuco, José Lins. O trabalho também foi ressaltado pelo vice-presidente do ministério Ebenézer, o pastor Robenildo Lins. “É um sonho realizado. É o cumprimento de uma promessa feita por Deus e dessa forma, alavancar mais um alvo para continuar a obra de Deus, honrando ao Senhor e também honrando a quem nos deu essa oportunidade como aCOMADEPLAN que confiou no nosso trabalho, e que por meio desta filiação, estamos também vinculados àCGADB, destacou o pastor.

Presidente da Ebenezer em Pernambuco, Pr. José Lins e esposa Edileusa  Lins, ladeados pelo vice-presidente, Pr.Robenildo Lins e sua esposa Ana Lins, felizes pela filiação à COMADEPLAN/GGADB.

COMADEPLAN tem um alcance nacional e internacional e se tornou um braço forte para receber igrejas de pequeno porte, uma vez que as igrejas menores não têm uma condição de chegar à CGADB pela exigência de um número mínimo de ministros. “É o caminho do fortalecimento das igrejas pequenas, que o Senhor tem levantado;essas portas estão sendo abertas para a unificação dessas igrejas, bem como seu fortalecimento espiritual através da uniformidade doutrinária via COMADEPLAN e a CGADB. É preciso destacar que Deus está honrando  essas pequenas igrejas, uma vez que elas estão fazendo o que as grandes deixaram de fazer; por isso  Deus tem aberto e abençoado muito essas igrejas”, declarou o pastor Robenildo Lins. “Há muitas Assembleias de Deus que estão precisando se ligar a uma convenção e muitas vão chegar à COMADEPLAN e à CGADB, em nome de Jesus”, afirmou o pastor-presidente da Ebenézer, José Lins.

Pr. Djalma Gonçalves,  1° secretário da
COMADEPLAN e sua esposa, a missionária Aldeci.
Em junho, a Ebenézer irá participar da Assembleia Geral Ordinária (AGO) da COMADEPLAN, em Brasília, onde serão referendados também como ministros filiados à CGADB. A COMADEPLAN passou a ter mais uma extensão em Pernambuco. O caminho é uma alternativa para as igrejas menores e independentes terem o respaldo de uma instituição nacional e com alcance internacional. “A COMADEPLAN tem também trabalhos missionários em vários países da América do Sul, Europa e Estados Unidos. E no Brasil, nós já estamos presentes em estados como Goiás, Bahia, Pará, Paraíba, Rio Grande do Norte e em Pernambuco, onde teve início, no Agreste do estado, no município de Caruaru com várias igrejas filiadas à COMADEPLAN. E, recentemente, Recife, por meio do pastor Severino Ramos, pastor-presidente da Assembleia de Deus Adoração, que tem congregações em várias cidades do estado. E, agora, o Ministério Ebenézer, de Olinda, que com os olhos da fé, já vejo que haverá culto de ação de graças e eu quero estar presente”, destacou o 1° secretário da COMADEPLAN,  pastor Djalma Gonçalves.

Na primeira fila, da esquerda para a direita, os evangelistas, Almir Correia, Irineu Messias, Mário Miguel, os pastores Robenildo Lins e José Lins e o evangelista Gilmar Fernandes

A homologação do Ministério da Assembleia de Deus Ebenézer irá ocorrer durante a  32 º Assembleia Geral Ordinária (AGO), que ocorrerá nos dias 16, 17 e 18 de junho, em Brasília. Além do pastor-presidente da Ebenézer, José Lins, e do vice-presidente, o pastor Robenildo Lins, também participarão do evento quatro ministros, que serão referendados como Ministros Evangélicos da CGADB, portanto, de alcance nacional em qualquer uma das Assembleias de Deus do Brasil: os evangelistas Mário MiguelGilmar Fernandes, Almir Correia e Irineu Messias“Nós já somos reconhecidos como ministros dentro do Ministério Ebenézer, mas esse reconhecimento eclesiástico terá alcance nas outras Assembleias de Deus, a partir dessa oficialização, e isso é importante dentro do exercício  do Ministério”, apontou o evangelista Gilmar Fernandes.


*Tânia Passos Araujoé jornalista e membro da Igreja Assembleia de Deus Ebenézer em Pernambuco.
****
Fonte:http://ieadepe.blogspot.com.br/2017/04/ebenezer-agora-e-comadeplan.html